Prefeito revela preocupação com destinação do lixo, ocupação do solo e uso da água

Durante a abertura oficial da Semana do Meio Ambiente, na noite dessa segunda (5/6), o prefeito José Gomes Branquinho manifestou preocupação com temas que considerou importante dividir com as autoridades presentes. Entre os assuntos abordados, ele destacou o crescimento do município e conseqüências relacionadas ao lixo, aos empreendimentos imobiliários e ao uso da água.

 

Em fala de abertura, Branquinho destacou o crescimento de Unaí puxado pela agricultura de alta tecnologia e pelas mais de 6.000 pequenas propriedades rurais na área do "vão". Lembrou ainda que Unaí ocupa o 1º lugar no PIB agropecuário de Minas Gerais e o 6º no PIB brasileiro. "E temos ainda um grande potencial que vai fazer o município crescer por minuto. Por exemplo, nosso território é 40% maior do que o do Distrito Federal e não temos ocorrências de geadas, granizos ou grandes intempéries. Temos pouca chuva, mas já aprendemos a conviver com isso e não atrapalha nossa produção".

 

O crescimento, entretanto, traz no bojo os problemas decorrentes. Um deles é a produção e destinação correta do lixo.

 

Branquinho lembrou que Unaí possui o chamado aterro controlado, atrás da Serra do Taquaril. Segundo ele, o "buraco já foi preenchido", o solo está esgotado e é preciso substituí-lo por um aterro sanitário para receber o lixo da cidade. "A primeira coisa é encontrar uma área adequada, mais distante da cidade (entre 8 e 10 quilômetros). Depois, buscar recursos para a instalação, porque os municípios são o primo pobre da Federação, precisam ir atrás do Governo Federal e Estadual em busca de auxílio financeiro".

 

A instalação de um aterro sanitário requer uma conscientização da população para a necessidade da prática da coleta seletiva do lixo, a fim de assegurar maior vida útil para o aterro, argumenta Branquinho. "E aí precisamos organizar bem a Areuna (Associação Recicla Unaí) e contar com o apoio da sociedade para essa prática".

 

Área verde

 

Todo empreendimento imobilário, advertiu o prefeito, precisa ter área verde. "Para dar qualidade de vida para as pessoas que compram lotes e vão viver naquele local", explicou.

 

Os empreendedores estão menosprezando a área verde, conforme constatação do prefeito. Ou estão destinando essa área no fundo de lotes ou dentro de grotas. "Se estiver no fundo do terreno fazendo divisa com lotes, o cidadão que comprar o lote vai estender a cerca e entrar na área verde. E em áreas de grotas, o pepino ficará na mão da Prefeitura para cuidar das grotas, como já está acontecendo", explicou. Segundo Branquinho, em Unaí já existem entre 6 e 8 grotas.

 

Chacreamento rural

 

O prefeito externou preocupação com a criação de chácaras no meio rural. Segundo observou, há propagandas nas redes sociais oferecendo terrenos de 2 mil, 3 mil, até 5 mil metros quadrados na área rural para fazer chácaras. "Completamente irregular e clandestino. Não há permissão legal para isso e não está autorizado empreendimento do tipo", alerta Branquinho.

 

Para piorar, ele disse ter recebido fotos de um "chacreamento" na beira de um córrego, o qual diz acreditar ser o Areia. As águas do Areia vão para a captação do Saae, o que pode alterar a quantidade e qualidade da água tratada pela autarquia. Se ficar constatada a veracidade da denúncia, a ação deverá ser rápida, para evitar intervenções que resultem em prejuízos para a população, como os desmatamentos.

 

A PMU já enviou à Câmara Municipal um projeto de lei disciplinando o chacreamento na zona rural de Unaí. "Não queremos travar o crescimento de Unaí, mas o município precisa crescer ordenadamente. Temos de estabelecer o tamanho dos terrenos vendidos na zona rural. Queremos saber como será a distribuição de água, a coleta de esgoto, a distribuição de energia elétrica e a iluminação pública".

 

Para Branquinho, a pessoa pode ter direito ao lazer merecido, ao sítio de recreio. Mas, segundo ele, com a condição de proteger o meio ambiente, de fornecer energia, iluminação pública, água encanada. "Caso contrário, obrigam o município a fazer isso amanhã em condições desfavoráveis e injustas, onerando os cofres do município, que é dinheiro de todos", alerta.

 

Uso da água

 

O prefeito tratou o assunto água como "seriíssimo". Ele reconheceu o "excelente trabalho" feito pelo Saae, mas considerou a necessidade de aumentar a capacidade de captação, armazenamento e distribuição de água para a população. Segundo ele, o Saae já está atento e trabalha no planejamento das adequações.


Ele, porém, chamou a atenção para um problema ambiental grave: a perfuração de poços artesianos de forma indiscriminada, situação que afeta o lençol freático. "O município não pode permitir que loteamentos sejam implantados com poços artesianos. Primeiro porque colocam poços com capacidade insuficiente para atender as famílias. Depois, porque a bomba (a solução do problema) sobra para o próprio Saae".

 

A preocupação aumentou, segundo o prefeito, porque chegou ao gabinete a informação de que a cidade está cheia de poços artesianos clandestinos. Muitas casas com piscina, explica ele, cujos poços foram perfurados nos fins de semana. "Sem outorga da Supram e sem autorização do Saae", advertiu, alertando para a ilegalidade da prática.

 

Branquinho disse que tal situação deve ser olhada com muita atenção, porque as conseqüências serão sentidas no futuro. "Ninguém pode abrir poços artesianos no quintal como se faz uma churrasqueira. Entendemos que não pode ser assim. Se for constatado o fato como a denúncia tem chegado para nós, isso não pode continuar de jeito nenhum".

 

A abertura oficial da Semana do Meio Ambiente, no entendimento do prefeito, foi o momento escolhido para expressar tais preocupações, em razão principalmente da representatividade das autoridades presentes: Estado, Município, faculdades, paróquia, entidades da sociedade civil e organizações de defesa ambiental.

 

"Todos temos de nos envolver, porque precisamos pensar na Unaí dos próximos anos", Branquinho resumiu, desejando uma semana bastante produtiva aos que participarão do seminário "Sustentabilidade: fauna e flora do Cerrado", que ocorre terça, quarta e quinta-feira no UAI. 

 

bkinho 0001
Prefeito Branquinho revela preocupações para o auditóiro durante abertura oficial da Semana
do Meio Ambiente



bkinho 0002
O prefeito diz aproveitar a presença de autoridades, a fim de chamar a atenção para temas
que considera graves