topo ban fine

 
 

servicos solicitar banner

Contas de 2017 da Prefeitura são aprovadas por todos os vereadores

Os 15 vereadores da Câmara Municipal de Unaí aprovaram esta semana as contas da Prefeitura referentes ao exercício contábil e financeiro de 2017. A aprovação dos vereadores seguiu parecer técnico do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG) e do próprio corpo técnico de servidores da Câmara Municipal, que recomendaram a "aprovação sem ressalvas" das contas da Prefeitura. As contas de 2018 da PMU também foram analisadas pelo TCE e já receberam parecer técnico orientando a "aprovação sem ressalvas". No início de 2020, a Câmara Municipal deve apreciar e julgar as contas de 2018.

 

Para o prefeito José Gomes Branquinho, o equilíbrio das contas é resultado do "planejamento e da austeridade" com que os gastos são feitos pela Administração Municipal. "Tudo dentro da legalidade", ele frisa, citando principalmente os gastos mínimos com educação (25% da receita) e saúde (15%) e os gastos máximos com pagamento de servidores públicos (até 54% da receita). O prefeito menciona ainda a responsabilidade de setores como contabilidade, compras e licitações e o controle interno como fundamentais na garantia da estabilidade das contas. "Procuramos fazer sempre o melhor negócio para a Prefeitura, e tudo dentro da legalidade. Na Prefeitura, só se pode fazer o que a lei autoriza. Diferentemente da vida do cidadão, que pode fazer tudo o que a lei não proíbe", ensina.


.
O equilíbrio e controle das contas públicas têm muito a ver com a postura da Administração Municipal, segundo explica o prefeito. "A Prefeitura não tem dinheiro sobrando, mas também não deve a ninguém. Tudo que compra, toda obra que faz, todo serviço que contrata, o dinheiro está na conta para pagar. Nada é feito sem que haja dinheiro em conta". Tanto o prefeito Branquinho quanto o vice-prefeito Waldir Novais possuem longa experiência na administração pública financeira e orçamentária. Branquinho já serviu a Administrações Municipais anteriores como secretário de Fazenda e secretário de Governo, mesma experiência trilhada pelo vice Waldir.

 

Fluxo das contas

 

Antes de chegar à Câmara Municipal, no entanto, as contas da PMU percorrem um longo caminho. Tudo começa quando o Poder Executivo (Prefeitura) elabora a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que vai orientar a feitura do Orçamento Anual no ano anterior à execução orçamentária. O orçamento público prevê as receitas (dinheiro dos impostos e de transferências que a Prefeitura arrecada) e fixa as despesas (tudo o que a prefeitura vai gastar, com informações sobre como, onde, quando e por que vai gastar).

 

O orçamento público (ou Lei Orçamentária Anual – LOA) elaborado por técnicos da Prefeitura e assinado pelo prefeito é enviado à Câmara Municipal, onde recebe emendas impositivas. Os vereadores podem emendar o orçamento, destinando um percentual para "algumas" despesas específicas. Após apreciação e aprovação do orçamento pelos vereadores, a Câmara Municipal encaminha a peça de volta para a Prefeitura, autorizando a execução no ano subsequente.

 

A execução orçamentária, no novo exercício contábil e financeiro, passa a seguir as determinações previstas na LOA. A Administração Municipal, no entanto, trabalha com pequena margem para remanejar o orçamento, ou seja, tirar recurso de uma gaveta e passar para outra mais necessária no momento. A suplementação orçamentária também é uma alternativa flexível para o gestor municipal "mexer" na peça e atender imprevistos. "Mas tudo precisa ser feito dentro da lei e com aprovação da Câmara Municipal", enfatiza o prefeito.

 

No final do exercício, normalmente no mês de janeiro, a Prefeitura faz o fechamento das contas do ano anterior (como o balanço, por exemplo) e encaminha para o TCE. Antes disso, porém, informações parciais sobre as contas são também enviadas mensalmente para o tribunal. "Com todo esse material em mãos, os órgãos técnicos do TCE analisam os números da Prefeitura e emitem um relatório. Esse relatório será encaminhado para uma das duas câmaras de conselheiros (cada qual com três membros) existentes no tribunal. Um deles será o relator que emitirá o parecer, o qual será analisado juntamente com os outros dois conselheiros", explica Eduardo Vieira de Souza, consultor de orçamento da Câmara Municipal de Unaí.

 

Normalmente, três conselheiros são o bastante para emitir o parecer aprovando, ou rejeitando, as contas públicas da Prefeitura. Em caso de discordância, divergência ou algo mais complexo, o parecer pode ser submetido à apreciação do pleno do tribunal, formado por sete conselheiros. No caso de Unaí, as contas de 2017 e 2018 foram aprovadas pelo TCE e já enviadas à Câmara Municipal.

 

Na Câmara Municipal

 

Logo que o parecer do TCE chega à Câmara de Vereadores, o resumo da análise do tribunal passa pela apreciação do corpo técnico do legislativo municipal, que também emite um parecer, encaminhando-o à Comissão de Finanças da Casa. "Nós analisamos o parecer dentro dos pontos levantados pelo tribunal, porque a quantidade de informações sobre contas é muito grande. E hoje o TCE é bem automatizado, o próprio sistema (de informática) vai filtrando os pontos mais importantes", registra Eduardo.

 

O consultor de orçamento da Câmara Municipal explica que os pontos mais trabalhados pelos técnicos do tribunal dizem respeito ao recurso de repasse para a Câmara Municipal (ver se o repasse da prefeitura para a câmara está dentro do limite de até 7% de transferência de recursos de impostos e transferências obtidas no ano anterior), gasto com pessoal, com saúde, com educação, e abertura de crédito (suplementações) dentro do limite.

 

Com base nos resumos do TCE, o corpo técnico da Câmara Municipal analisa e também emite o parecer para a Comissão de Finanças, composta por seis vereadores. Um relator é escolhido entre os membros da comissão que, com base nos pareceres do TCE e dos técnicos da própria Câmara, faz o relatório que passará pela aprovação do colegiado e depois encaminhado ao plenário da Casa Legislativa. Lá, o relatório (que já passou por vários filtros técnicos) será julgado por todos os vereadores. Depois do julgamento das contas, a Câmara emite o decreto legislativo (com a aprovação ou rejeição) e encaminha para o Tribunal de Contas.

 

Para derrubar um parecer do Tribunal de Contas, no entanto, a legislação exige quorum qualificado de vereadores em plenário. Dois terços, 10 vereadores no caso de Unaí, são necessários para derrubar a orientação do TCE. Diferentemente disso, todos os 15 aprovaram as contas da Prefeitura, ano 2017, conforme recomendação do tribunal.

 

 obrpmuu 0001

SmartNews.com
Previsão do Tempo

Siga-nos

    facebook FaceBook
insta icon Instagram
Twitter
linkedinico LinkedIn

Banco de Notícias

Assessoria de Comunicação Social e Relações Públicas - comunicaaiunai@gmail.com   -  (38)3677-9610 Ramal 9039
other a Sala de Imprensa (clique)

Notícias publicadas no período: 29/03/2005 até 17h24 do dia 13/12/2012